Digite o que procura

Tags:

Osteoporose: uma doença silenciosa que atinge homens e mulheres

24/10/2018
Compartilhar

A Osteoporose é uma doença que se caracteriza pela diminuição progressiva da densidade óssea tornando os ossos mais porosos, fracos e suscetíveis a fraturas. Infelizmente é uma doença silenciosa e não costuma apresentar sintomas. É comum que pessoas só descubram que têm osteoporose no momento em que ocorre uma fratura espontânea do osso que já não suporta um trauma ou esforço cotidiano.

Os ossos são formados por minerais, incluindo cálcio e fósforo, que os tornam rígidos e densos. Para manter a densidade óssea (ou massa óssea), o corpo precisa de um fornecimento adequado de cálcio, minerais e vitamina D adquirida pela alimentação. Outro fator que age diretamente nos ossos é a ação de vários hormônios produzidos pelo nosso organismo.

Constante Renovação Óssea

Num corpo saudável existe um equilíbrio constante entre a formação e a degradação de substância óssea, esse processo é conhecido como remodelagem. Nele, pequenas áreas do tecido ósseo são removidas continuamente e um novo tecido ósseo é depositado.  Contudo, se degradar mais osso do que aquele que se forma, dá-se a perda de substância óssea, ocasionando a osteoporose.

Osso normal

Osso normal

Osso com osteoporose

Osso com osteoporose

Áreas Afetadas

As regiões mais afetadas são a coluna (vértebras), a bacia (fêmur), o punho (rádio) e o braço (úmero). Os principais sintomas são: dor crônica, deformidades, encolhimento, fraturas nas vértebras, provocando problemas gastrintestinais e respiratórios que podem ocasionar perda na qualidade de vida e o desenvolvimento de outras doenças, como pneumonia.

Pacientes que sofrem uma fratura vertebral apresentam uma dor aguda na região e têm dificuldades para realizar as tarefas mais simples. Já a dor crônica é um resultado provável em pacientes que possuem a doença e tiveram diversas microfraturas que passaram despercebidas. Até 30% das fraturas podem ser assintomáticas piorando ainda mais o quadro da doença. Outra característica da osteoporose na coluna é a diminuição da altura. As fraturas da coluna, que também são conhecidas como fraturas por compressão, causam um colapso na região causando a diminuição da altura do paciente e a formação típica da corcunda.

Fraturas por compressão

fraturas por compressão

O Perigo da Osteoporose entre os Homens

De uma maneira geral, tem-se um conceito equivocado de que a osteoporose é uma doença feminina, uma vez que a fragilidade dos ossos nas mulheres é diretamente associada à ausência do estrogênio, um hormônio feminino. No entanto, a ocorrência da osteoporose em homens é bastante preocupante, o risco é de 27%, enquanto o de câncer de próstata é de 11% – doença mais alardeada em campanhas voltadas para os homens.

A Fundação Internacional de Osteoporose (IOF em inglês) divulgou dados que mostram que 20-25% de todas as fraturas de quadril ocorrem em homens, com taxa de mortalidade até 20% no primeiro ano após a fratura, a proporção é de um homem em cada cinco casos, taxa bem mais alta que em mulheres, que é uma a cada três.

O relatório do IOF mostra ainda que de 1990 a 2050, o número de fraturas de quadril para mulheres e homens de 50 a 64 anos na América Latina aumentará em 400%. Para grupos etários com mais de 65 anos, o aumento será de 700%.

A Prevenção Vem da Infância

A prevenção da osteoporose deve se iniciar na infância, através de uma alimentação saudável e rica em cálcio (especialmente presente nos laticínios). Além disto, deve-se proporcionar para a criança e ao adolescente a possibilidade de brincadeiras e atividades ao ar livre para estimular o exercício físico, que fortalece o esqueleto em crescimento, e permite a exposição ao sol para que ocorra a produção vitamina D. Entretanto, mesmo com todos estes cuidados, vale lembrar que ainda existe o fator genético na osteoporose.

Importante salientar que a atividade física em qualquer fase da vida tem um papel relevante na prevenção da osteoporose e de fraturas.

Não tem cura, mas pode ser controlada

Ainda não existe cura para a osteoporose, pois os tratamentos atuais não revertem a perda óssea completamente. Como é frequentemente diagnosticada somente após o estabelecimento da doença, o tratamento tem como principal objetivo retardar ou evitar a sua progressão. O tratamento farmacológico é feito para reposição do cálcio, hormonal e da vitamina D, além de analgésicos para as dores.

O exame de referência para o diagnóstico da osteoporose hoje é a densitometria de massa óssea que seguem critérios propostos pela Organização Mundial da Saúde (OMS). É recomendado para o grupo de risco: mulheres com 65 anos ou mais, principalmente nas que tenham doenças que causam perdas ósseas, e em mulheres na menopausa ou em transição, com 50 anos ou mais.

Tags: