Digite o que procura

Meningite e o diagnóstico molecular (qPCR)

19/04/2018
Compartilhar

As meningites apresentam etiologias diversas, porém as causas infecciosas são as de maior prevalência e as que comumente apresentam-se como emergências médicas de elevada morbidade e mortalidade. Diante desse cenário, é muito importante o reconhecimento precoce do agente etiológico da meningite, para iniciar o quanto antes, o tratamento adequado com a prescrição terapêutica precisa e apropriada.

No Brasil, em média, são notificados 11.500 casos/ano de meningite. Entretanto, para a maioria dos casos não há identificação do agente etiológico. Isso pode ser consequência das deficiências técnicas laboratoriais como do uso indiscriminado de antibióticos, pois, quando se faz o diagnóstico de meningite, muitos pacientes já estão em uso de medicamentos.

As meningites bacterianas são, universalmente, um grave problema de saúde pública. No controle da doença, a medida mais eficaz não está relacionada a terapêutica, mas à prevenção, o uso das vacinas, especificamente contra o Haemophilus influenzae B. A eficácia é inquestionável. Sabe-se que qualquer bactéria pode causar meningite num indivíduo susceptível. Mas Haemophilus influenzae tipo B, Neisseria meningitidis (meningococo) e Streptococcus pneumoniae (pneumococo) são os agentes responsáveis por aproximadamente 95% dos casos de meningite bacteriana.

A meningite viral produz sinais e sintomas que variam de acordo com o agente etiológico. Abaixo os principais agentes etiológicos:

Vírus RNA Vírus DNA
Enterovírus
Arbovírus Adenovírus
Vírus do Sarampo Herpes simples tipo 1 e 2
Vírus da Caxumba Varicela zoster
Vírus da Coriomeningite Epstein Barr
Linfocitária Citomegalovírus
HIV1

Os diversos quadros clínicos de meningite e seus diagnósticos apresentam sintomatologia semelhante. Por isso o diagnóstico precoce seguido de imediato início da terapêutica é fundamental para o bom prognóstico.

Hoje sabemos que, com o avanço da medicina, os novos conhecimentos sobre fisiopatologia, o surgimento de novos antibióticos e a crescente resistência bacteriana têm provocado mudanças no diagnóstico e tratamento de várias doenças.

A biologia molecular começa a cumprir sua promessa de rapidez e precisão e está se tornando o teste padrão ouro para um diagnóstico preciso, sensível e rápido. A metodologia através da biologia molecular utiliza a técnica de PCR (Polymerase Chain Reaction – Reação em cadeia da Polimerase) que consiste basicamente na amplificação “in vitro” usada para aumentar o número de cópias de uma região de DNA, a fim de produzir DNA suficiente para análise adequada. Isso torna a sensibilidade, especificidade e celeridade superiores aos métodos laboratoriais convencionais.

A linha XGEN Multiplex (múltiplos patógenos na mesma reação) possui testes in vitro para a detecção qualitativa dos agentes causadores da meningite.

Kit XGEN Multiplex Meningite Viral (MV)

Kit XGEN Multiplex Meningite Viral é um teste in vitro para a detecção qualitativa de ácido nucleico viral em amostras de líquido cefalorraquidiano, sangue total, swab de garganta e fezes como auxílio para a avaliação de infecções pelo vírus herpes simplex tipo 1 e 2 (HSV1 e HSV2), vírus Varicela-Zoster (VZV), Enterovírus (EV), Parechovírus humano (HPeV) e vírus da Parotidite (caxumba) (MV).

Especificidade
Herpes Simplex Tipo 1 (HSV1) 100% para vírus herpes simplex tipo 1
Herpes Simplex Tipo 2 (HSV2) 100% para vírus herpes simplex tipo 2
Varicela-Zoster (VZV) 100% para Varicela-zoster
Vírus da Parotidite (MV) 100% para vírus da Parotidite (caxumba)
Parechovírus humano (HPeV) 100% para Parechovirus humano
Enterovírus (EV) 100% para Enterovírus
 Sensibilidade (LOD)
Herpes Simplex Tipo 1 (HSV1) 10² cópias/mL com probabilidade de 95%
Herpes Simplex Tipo 2 (HSV2) 10² cópias/mL com probabilidade de 95%
Varicela-Zoster (VZV) 10ᵌ cópias/mL com probabilidade de 95%
Vírus da Parotidite (MV) 10ᵌ cópias/mL com probabilidade de 95%
Parechovírus humano (HPeV) 10² cópias/mL com probabilidade de 95%
Enterovírus (EV) 10ᵌ cópias/mL com probabilidade de 95%

Kit XGEN Multiplex Meningite Bacteriana

O Kit XGEN Mulltiplex Meningite Bacteriana é um teste in vitro para a detecção qualitativa de ácido nucleico bacteriano em amostras de líquido cefalorraquidiano como auxílio para a avaliação de infecções por Neisseria meningitidis (Nmeng), Streptococcus pneumoniae (Spneu)  e Haemophilus influenzae (Haeinf).

Especificidade
Haemophilus influenzae (Haeinf) 100% para Haemophilus influenzae
Neisseria meningitidis (Nmeng) 100% para Neisseria meningitidis
Streptococcus pneumoniae (Spneu)  100% para Streptococcus pneumoniae
Sensibilidade (LOD)
Haemophilus influenzae (Haeinf) 10ᵌ cópias/mL com probabilidade de 100%
Neisseria meningitidis (Nmeng) 10ᵌ cópias/mL com probabilidade de 100%
Streptococcus pneumoniae (Spneu)  10ᵌ cópias/mL com probabilidade de 100%

As taxas de mortalidade nas meningites neonatais variam em média de 15% a 20%. Nas meningites pneumocócicas, a taxa média situa-se em torno de 10% a 40%. Nas meningites meningocócicas, 5% e 10% e, naquelas causadas pelo Haemophilus influenzae tipo B, entre 3% e 6%.

As sequelas neurológicas ocorrem em 30% a 50% dos sobreviventes de meningites bacterianas e variam com o agente causal: 10% das meningites meningocócicas, 15% das determinadas pelo Haemophilus influenzae tipo B e em 25% a 30% das meningites pneumocócicas.

Conheça mais da linha XGEN

São diversas soluções que utilizam a tecnologia da PCR em Tempo Real (qPCR), sorologia e também a metodologia Flow Chip para análise de doenças infecciosas, genéticas e oncologia.

Referências

Tags:

Você pode gostar também