Digite o que procura

Hanseníase: mais que um problema de saúde, um rombo para a previdência

25/10/2018
Compartilhar

O Brasil está em terceiro lugar global no ranking de casos de hanseníase por ano – são cerca de 25 mil, conforme o Ministério da Saúde, atrás apenas da Índia e Indonésia. No mundo, a média é de 2,9 casos por 100 mil habitantes, enquanto no Brasil a taxa é de 12,2/100 mil. Embora a doença ainda esteja cercada de preconceitos, a hanseníase pode ter cura sem sequelas e sem expor outros ao risco. “Somente 8% dos casos evoluem com sequelas incompatíveis com o trabalho, como é o caso da mão em garra, quando os indivíduos não conseguem segurar um copo, girar uma maçaneta ou manusear talheres”, explica a dermatologista e hansenologista Dra Laila de Laguiche, membro da Sociedade Brasileira de Hansenologia (SBH).

Segundo o último Boletim Epidemiológico da Organização Mundial da Saúde (OMS), divulgado em agosto deste ano, em 2017 foram registrados 210.671 mil novos casos de hanseníase no mundo. O Brasil se enquadra no terceiro país com mais casos da doença (26 875), atrás somente da Índia e Indonésia. A falta de informações sobre a doença, aliada à dificuldade em compreendê-la e diagnosticá-la, pode fazer com que os portadores adicionem um peso na previdência do Brasil, além de sofrerem as consequências em sua qualidade de vida. Até junho de 2018, o país acumulava um déficit de R$ 90,8 bilhões nas contas previdenciárias. Somente em junho, o déficit entre arrecadação e a quantia paga em benefícios foi de R$ 14,5 bilhões, conforme o Boletim Estatístico da Previdência Social.

Apesar de ser um número pequeno dentro dos valores do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), a hanseníase é uma das enfermidades que concede aposentadorias e benefícios mensais aos portadores do bacilo. As indenizações são pagas pelas chamadas “legislações específicas”, que representam o equivalente a 19,4 mil benefícios, com R$ 36,3 milhões pagos em junho de 2018. Dentro desse grupo, os portadores de hanseníase alcançam 5,7 mil benefícios – 29% do total –, atingindo R$ 7,3 milhões mensais (20% do total de recursos). O valor médio das indenizações é de R$ 1.279.

No entanto, nem todo portador deveria ser considerado incapaz, exceto em casos de incapacitação. “Paciente tratado é paciente curado, pois não transmite mais o bacilo. Porém, a hanseníase não confere ao ex-doente a imunidade, que pode ser infectado novamente a qualquer momento. Assim como em uma gripe, podemos nos curar, mas não ficamos imunes ao vírus”, esclarece a especialista. Um dos caminhos para reduzir os impactos da doença é melhorar o diagnóstico, impedindo que a hanseníase avance ao ponto de o trabalhador ser considerado incapacitado, e possibilitando um tratamento adequado antes que o portador transmita a doença a pessoas de sua convivência.

A importância da prevenção

Embora a OMS tenha registrado uma redução abrangente dos casos da doença no mundo, saindo de mais de cinco milhões de casos para 500 mil entre 1985 e 2005, a hanseníase enfrenta dificuldades para ser diagnosticada e, por esse motivo, ainda pode gerar subnotificação. “Estima-se que haja cerca de quatro a cinco vezes mais doentes do que notificações no Brasil”, diz Dra Laila. De acordo com ela, se houvesse melhoria neste aspecto, poderia ser evitado muitas pessoas declaradas incapacitadas pela doença e poderia garantir uma vida normal.

Como a doença afeta os nervos periféricos e da pele, é preciso realizar uma série de exames: biópsia da pele (no qual é possível identificar a presença do bacilo); análises de PCR capazes de detectar o DNA da bactéria na pele; e medição dos anticorpos circulantes no sangue do doente. “Muitas vezes, o diagnóstico é tardio. O bacilo se aloja dentro dos nervos e demora a atingir o sangue periférico”, diz Dra Laila, ressaltando que a avaliação clínica precisa ser integrada aos exames complementares para se obter um diagnóstico precoce.

A própria SBH lançou uma carta, em novembro de 2017, alertando sobre a questão. “Vários problemas se apresentam neste cenário: médicos despreparados para o diagnóstico, profissionais da atenção básica sem treinamento adequado, universidades que formam médicos, enfermeiros, terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas e outros profissionais de saúde sem o preparo necessário para lidar com esta doença”, diz o manifesto. No documento, a SBH ainda fala sobre a falta de interesse em pesquisas conduzidas pelo governo sobre o assunto, assim como o desconhecimento da sociedade sobre a doença, o que causa as subnotificações e o avanço da enfermidade.

Outro problema diz respeito à suposta “eliminação” da hanseníase dos problemas de saúde pública. De acordo com a SBH, quando uma doença é considerada inexistente, a vigilância sobre o assunto se perde, as referências são desmontadas e o Sistema de Saúde passa a não enxergar mais os doentes. “No Brasil, o Rio Grande do Sul ‘eliminou’ a hanseníase. Hoje, o estado tem um número pequeno de casos registrados, mas apresenta o maior percentual brasileiro de pessoas com incapacidade física – doentes que convivem com a hanseníase há anos e recebem o diagnóstico depois que as sequelas estão avançadas”, diz o presidente da SBH, Claudio Salgado.

A hanseníase

Trata-se de uma doença bacteriana, causada pelo bacilo de Hansen, que infecta o ser humano por meio das vias respiratórias, afetando sobretudo a pele e os nervos periféricos. A doença atinge outros órgãos somente em casos raros. Quando não tratada, a hanseníase pode levar à cegueira e incapacitações de membros superiores e inferiores, pois o paciente perde a sensibilidade, facilitando a ocorrência de traumas e lesões repetitivas. Entretanto, estima-se que 90% dos humanos tenham a chamada imunidade nata à doença: em outras palavras, não vão jamais manifestar a hanseníase.

O tratamento é feito com antibióticos – uma mistura de três drogas por, no mínimo, seis meses, podendo chegar a alguns anos, dependendo da forma da doença. Após o tratamento, contudo, o paciente não pode infectar outras pessoas, embora sempre esteja sujeito à reinfecção.

O período de incubação varia de dois a sete anos e, entre os fatores que influenciam, está o baixo nível socioeconômico, a desnutrição e a superpopulação doméstica. Por esse motivo, países subdesenvolvidos contam com maior incidência da enfermidade. Devido ao tempo de incubação, a manifestação da doença e o diagnóstico são difíceis de serem obtidos. “Se não houver um diagnóstico precoce, o paciente pode ser portador da doença por muitos anos e transmitir às pessoas de seu convívio, mesmo que sem manifestar nenhum sintoma”, alerta Dra Laila.

Diagnóstico Molecular

O diagnóstico da hanseníase é baseado, essencialmente, pelo quadro clínico. Quando disponíveis, os exames de baciloscopia e biópsia de pele podem ser feitos, mas levando em consideração suas limitações. Hoje ainda há muitas dificuldades e erros no processo de coleta e até mesmo na leitura de lâminas.

Neste contexto, as técnicas de biologia molecular são as mais modernas e com maior precisão para detecção da Mycobacterium leprae e sua resistência. O exame é baseado na tecnologia de PCR e DNA-STRIP. Onde o DNA é extraído a partir de amostras de baciloscopia cutânea positiva, amplificado por PCR. Através das fitas Hain é possível identificar a resistência contra as principais drogas no tratamento da hanseníase.

• Primeiro sistema de teste comercial para a detecção molecular de Mycobacterium leprae.
• Detecção de resistência às drogas de primeira e segunda linha, em um único passo.
• Resultados disponíveis em algumas horas, comparado com várias semanas para detecção convencional.
• Considerado padrão ouro pela OMS

Tags:

Você pode gostar também