Digite o que procura

Hanseníase: porque uma doença bíblica continua tão atual?

13/03/2018
Compartilhar

A Hanseníase é uma doença infectocontagiosa crônica causada pelo Mycobacterium leprae. Muitas pessoas conhecem a doença pelo nome de lepra e pode ser chamada ainda de doença de Hansen. Ela acomete principalmente a pele e nervos periféricos, podendo levar a sérias incapacidades físicas.

Hanseníase em números

Os números da última análise realizada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), em 2016, relataram mais de 200 mil novos casos de hanseníase a cada ano, sendo que mais de 12 mil pessoas sofreram deficiências graves.

Cerca de 94% dos casos notificados concentram-se em 13 países e, infelizmente, o Brasil ocupa a segunda colocação no ranking com o maior número de casos, ficando atrás apenas da Índia.

Apesar deste índice já ser motivo de preocupações, a Sociedade Brasileira de Hansenologia (SBH) alerta que os números reais podem ser de 3 a 5 vezes maior que os dados oficiais.

“Falta diagnóstico, preparo dos profissionais de saúde, estrutura nos serviços de atenção básica à saúde, ensino nas universidades, atenção de autoridades e política estratégica de enfrentamento da doença”

Afirma o presidente da SBH, Claudio Salgado.

Diante desse quadro, a OMS lançou em 2016 a Estratégia Global para a Hanseníase 2016-2020 que tem como propósito a detecção precoce da hanseníase e o tratamento imediato para evitar a incapacidade física e reduzir a transmissão da infecção na comunidade. O objetivo a longo prazo é estabelecer “um mundo sem hanseníase”.

O Brasil é o 2° país no ranking mundial de hanseníase com mais de 30 mil casos por ano

Sintomas e transmissão da doença

A Hanseníase é uma doença contagiosa de evolução muito lenta. O tempo de incubação e manifestação dos primeiros sintomas podem levar de 6 meses a 6 anos, com casos de até 20 anos para que isso ocorra.

Os principais sinais e sintomas da hanseníase são:

  • Manchas esbranquiçadas, acastanhadas ou avermelhadas na pele, com perda de sensibilidade ao calor, dor ou ao tato;
  • Formigamentos, choques e câimbras nos braços e pernas que evoluem para dormência (a pessoa se queima ou se machuca sem perceber);
  • Caroços e inchaços pelo corpo, algumas vezes doloridos;
  • Áreas com diminuição de pelos e do suor;
  • Perda de sensibilidade e dor em nervos periféricos afetados, principalmente mãos, pés e olhos;
  • Fraqueza muscular, com dificuldades até para segurar objetos.

Se não tratada a hanseníase pode causar lesões severas:

  • Na pele
  • Mucosa do aparelho respiratório
  • Olhos
  • Nervos
  • Incapacidade física

As sequelas da hanseníase podem deixar marcas físicas e psicológicas, ocasionadas pela exclusão social do paciente. Por afetar os nervos periféricos, a mobilidade e coordenação motora são comprometidas, levando inclusive a incapacidades irreversíveis.

A transmissão da hanseníase acontece pelas vias respiratórias, ou seja, o bacilo é eliminado pelas secreções nasais e saliva. A contaminação acontece através da fala, tosse, espirro e beijo. Entretanto a exposição ao bacilo precisa ser prolongada para que a infecção seja transmitida e quase sempre ocorre entre contatos domiciliares. Por isso, quando identificada a hanseníase, todas as pessoas que convivem com o doente devem ser examinadas.

É muito importante saber que o contato com a pele ou objetos não transmite a doença. E após 15 dias de tratamento o paciente não transmite mais a infecção. Este é um dos motivos pelo qual a hanseníase é estigmatizada, levantando um grave e significante problema social.

As sequelas da hanseníase podem deixar marcas físicas e psicológicas, ocasionadas pela exclusão social do paciente

História da Hanseníase e a institucionalização do preconceito

Há relatos de casos de hanseníase desde 4.000 anos a.C, nos papiros do antigo Egito. Para os hebreus a lepra, como era chamada, era considerada uma maldição, um castigo divino, citada inclusive pela bíblia. O estigma, a discriminação com a doença e com quem sofre a ação em seu corpo, foram construídos pela associação do termo lepra às deformidades causadas ao paciente.

Como não havia cura para a doença, o enclausuramento e a exclusão dos doentes do convívio social eram a única alternativa.

No Brasil, a doença chegou junto com a colonização e instituições como a igreja mantinham os leprosários com o intuito de amparar os doentes, já que não existia uma política de saúde pública.

Foram criadas então as comunidades de leprosos, excluídos e rejeitados. Em 1915, criou-se a Comissão de Profilaxia da Lepra que estabeleceu o modelo isolacionista, consistindo na internação compulsória de todos os doentes de lepra em asilos-colônias.

Assim, o isolamento foi a alternativa encontrada pelo governo federal, que desenvolveu uma política pública para a construção e manutenção de uma grande rede de leprosários em todo país. E nesse contexto, as consequências sociais persistem até agora.

Em 1976, foi formalizada a quebra do isolamento compulsório em leprosários e o termo hanseníase substituiu oficialmente a denominação “lepra” no Brasil, como uma forma de minimizar o estigma do doente e propiciar sua integração à sociedade.

Graças aos avanços da ciência, a hanseníase hoje tem tratamento e cura

Diagnóstico

A Hanseníase pode se confundir com outras doenças, principalmente de pele. No entanto, a detecção precoce e o tratamento imediato são as principais armas para evitar a incapacidade física e a transmissão na comunidade.

“Ninguém com lepra precisa ser deixado com deficiência. A doença pode ser facilmente curada com terapia multidrogas se for detectada e tratada com antecedência. O fato de ainda estar acontecendo em 2018 mostra que há atrasos no diagnóstico e falta de acesso a um tratamento de alta qualidade.”

Critica Alice Cruz, nomeada em 2017 como Relatora Especial da ONU na eliminação da discriminação de pessoas afetadas pela lepra e seus familiares.

O diagnóstico da hanseníase deve ser baseado, essencialmente, no quadro clínico. Quando disponíveis, os exames de baciloscopia e biópsia de pele podem ser feitos, mas levando em consideração suas limitações. Hoje ainda há muitas dificuldades e erros no processo de coleta e mesmo na leitura de lâminas.

Quando diagnosticada, todas as pessoas que convivem com o doente devem ser examinadas para eliminar a suspeita de infecção.

O tratamento da hanseníase é realizado através da associação de medicamentos (Poliquimioterapia – PQT) conhecidos como Rifampicina, Dapsona e Clofazimina. Como é um tratamento longo, atualmente a resistência aos medicamentos é um problema que tem causado grande preocupação.

Nesse sentido a biologia molecular ganha cada vez mais importância como um exame de comprovação da infecção pelo Mycobacterium leprae, além de realizar a  identificação das mutações que levam à resistência aos medicamentos.

Tratamento

A Hanseníase tem cura. O tratamento consiste na administração de um conjunto de drogas chamado de poliquimioterapia (Rifampicina, Dapsona e Clofazimina). A média de tempo do tratamento é de 6 a 12 meses e deve ser feito até o final para evitar complicações e a resistência.

Os pacientes têm direito a tratamento gratuito pelo SUS, disponível em qualquer unidade de saúde.

O tratamento da Hanseníase é gratuito e oferecido pelo SUS


Referências

Tags:

Você pode gostar também